Atividade da indústria gaúcha registra alta de 0,5% em agosto, aponta Fiergs

08/10/2018
Atividade da indústria gaúcha registra alta de 0,5% em agosto, aponta Fiergs

A atividade industrial no Rio Grande do Sul cresceu 0,5% em agosto, na comparação com julho. A informação, divulgada nesta quinta-feira (4) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), faz parte do Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS). Em julho, o indicador havia apontado retração de 0,8%, na série com ajuste sazonal.

Na comparação com agosto de 2017, a expansão da atividade industrial gaúcha chegou a 4,7%. Em nota, a Fiergs destaca que, nessa métrica, o IDI-RS cresceu em seis dos oito meses de 2018, mostrando queda apenas em maio (-6,6%), devido à paralisação dos caminhoneiros e à crise no transporte.

"Superados os efeitos transitórios da crise dos transportes, a atividade do setor industrial voltou à tendência de recuperação anterior", avalia em nota o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry. "Mas esse processo segue lento e volátil, em função do ritmo fraco do consumo e dos investimentos e à espera do resultado das eleições".

Dos seis indicadores que o IDI-RS agrega, três subiram no mês passado, um ficou estável e dois caíram. Compras, com uma elevação de 3,8%, exerceram o maior impacto positivo, assim como as horas trabalhadas na produção (+0,8%) e a utilização da capacidade instalada – UCI (+0,6 pontos percentuais), com o maior nível em 47 meses: 81,7% em agosto. Descontada a inflação, o faturamento real não se alterou, enquanto a massa salarial real e o emprego caíram 1,5% e 0,3%, respectivamente, esse último depois de quatro meses de altas consecutivas.

No acumulado até o oitavo mês do ano, o IDI-RS subiu 2,6% na comparação com o mesmo período do ano passado, acelerando a alta de 2,3% registrada até julho. Atividade industrial que foi impulsionada, principalmente, pelas compras industriais (9,6%) e o faturamento real (4,1%). O emprego (1,1%) e a UCI (1,6 ponto percentual) também contribuíram positivamente, enquanto as horas trabalhadas na produção (-0,4%) e a massa salarial real (-3%) caíram.

No mesmo período, em relação a 2017, 1,2 ponto percentual da taxa de crescimento da indústria gaúcha (2,6%) é creditado ao setor de Veículos automotores, que aumentou 16,5%. Outros nove dos 17 setores pesquisados também cresceram, com destaque para Produtos de metal (4,3%), Metalurgia (16,3%), Borracha e plásticos (3,3%) e Tabaco (2,4%). Por outro lado, as maiores baixas partiram de Têxteis (-7,4%), Vestuário e acessórios (-6,6%) e Bebidas (-2,2%).

“Superados os efeitos transitórios da crise dos transportes, a atividade do setor industrial voltou à tendência de recuperação anterior”, avalia o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry. “Mas esse processo segue lento e volátil, em função do ritmo fraco do consumo e dos investimentos e à espera do resultado das eleições”.

Fonte: Jornal do Comércio

Voltar
Parceiros

Newsletter ABTB